ÁGUA DE COR  2022 (em andamento)

mosaico.jpg

​VÍDEOS DO PROCESSO

SOBRE O PROJETO

"Água de Cor: as danças das iabás da Nação Ijexá" é o nome provisório do projeto contemplado pelo edital Rumos Itaú Cultural 2019/2020, categoria artes visuais, a ser finalizado em junho de 2022. Está sendo feito em parceria com a Corte Real da Nação Ijexá, terreiro localizado no Parque Amorim, Belford Roxo, Rio de Janeiro.

Dentro dos saberes de terreiro estão as danças, que traduzem em movimentos os mitos iorubás, atualizando-se nos corpos, e seguindo de forma fluida os toques dos atabaques – mito, som e gesto tornam-se uma coisa só, difícil de transcrever em palavras. Neste contexto surge o projeto, com o intuito de comunicar estes saberes. O foco está nas mulheres: são seis as principais Iabás (mães rainhas, em iorubá) e, somando-se a elas, a Pombagira, que trazem nos gestos inúmeras possibilidades de manifestação do feminino – referências essenciais em um momento de transformação para as mulheres, que buscam saídas para desenvolver suas potências e desejos. Os arquétipos femininos iorubás resistiram à barbárie civilizatória e ao domínio colonial, preservando outras formas de ser e de agir enquanto mulher na sociedade.

 

Serão feitas animações pela técnica quadro-a-quadro de rotoscopia artesanal a partir de registros videográficos, utilizando a aquarela como ferramenta criativa. Será gravado também o toque percussivo correspondente a cada dança – som, gesto e cor estarão integrados na comunicação de movimentos sagrados. A técnica de rotoscopia permite que o movimento se revele ao transformar vídeo em desenho – o corpo dançante, em traços e cores, torna-se o único elemento na tela, direcionando a comunicação expressiva dos gestos. Ademais, personifica o desenho: a pessoa que dança é reconhecível por quem já a viu dançar. A utilização do processo artesanal com aquarela surge como consequência das vivências em terreiros: o fazer manual e o contato direto com materiais naturais inspiraram a escolha por essa linguagem. Além disso, a água – base da aquarela – é ritualmente associada às mulheres.

O projeto se desdobra em uma publicação, contendo uma seleção dos desenhos de cada dança que, sequenciados no papel, permite a visualização dos movimentos, além de textos de autores convidados. Em pequena tiragem, será uma forma materializada do projeto, com fins de divulgação e comunicação, a ser doada a terreiros, bibliotecas, escolas e espaços culturais.

PARTICIPANTES

Concepção e criação:

Ilana Paterman Brasil

Assistência de produção:

Carol Vinagre

Maria Navarro

Consultoria:

Pai Zezito de Oxum

Gravação de áudio:

Dudu Falcão da Rocha

Marlanf Barreto

Masterização:

Vinicius Araújo

Dançarinas: 

Eunice Inácia de Jesus
Rosani Barbosa Santiago
Angela Maria Aparecida L. de Paiva
Mara Shyrlei de Andrade Ramos
Solange Maria Rodrigues Santiago
Solemar Maria Munford
Silvia Lilian Rodrigues

Percussionistas:

Ricardo Oliveira Rodrigues Alves
Patrick Wualassy Rodrigues Alves
Derick Douglas Rodrigues Alves
Marcelo Henrique Benjamim Antonio

APOIO

logo-rumos.png